Home > Jogos Modernos > ABALONE – o mais moderno dos jogos clássicos

ABALONE – o mais moderno dos jogos clássicos
Postado por sergiohalaban em 6 de outubro de 2011


Quando se fala em jogos clássicos, imediatamente se pensa em Xadrez, Damas, Go, Gamão… Ou seja, jogos antigos, criados em tempos remotos, certo? Mas você sabia que existem jogos clássicos… modernos? Um ótimo exemplo desta categoria chama-se Abalone.

Abalone foi criado em 1987 por dois franceses – Michel Lalet e Laurent Lévi – e já no ano seguinte começou a colecionar troféus: ganhou o Concurso de Internacional da Ludoteca de Boulogne-Billancourt, na França. Em 1989, recebeu o Super Ás de Ouro no Festival Internacional de Jogos em Cannes, França, e foi nomeado para o prestigiado Jogo do Ano, na Alemanha. Finalmente, em 1990, recebeu o selo Mensa Select, nos Estados Unidos, por ser considerado “desafiador, original e bem elaborado”.

Parte do seu sucesso vem de seu design elegante: os únicos componentes do jogo são um tabuleiro haxagonal com furos redondos e 28 esferas – 14 brancas e 14 pretas. A outra parte do sucesso vem das regras, bastante simples: na sua vez, os jogadores podem mover de uma a três de suas esferas, desde que elas estejam enfileiradas. Vence aquele que conseguir empurrar 6 esferas do adversário para fora do tabuleiro.

Assim, as esferas dos dois jogadores aos poucos vão se misturando no tabuleiro, e logo surgem as oportunidades de eliminá-las. Para se empurrar uma peça do adversário, é necessário que ao menos duas peças suas sejam movidas naquela jogada. Se você quiser deslocar duas peças adversárias, terá de mover três das suas esferas. No entanto, filas de três ou mais peças são consideradas “seguras”, e não podem ser empurradas.

Esta aparente simplicidade esconde uma enorme riqueza de opções táticas. Programadores já desenvolveram diversas versões eletrônicas do jogo, mas a melhor delas ainda é incapaz de derrotar um jogador competente. O motivo é que, para eliminar peças adversárias, costuma-se sacrificar temporariamente a coesão entre as próprias peças, e os computadores ainda não são capazes de avaliar o momento certo de fazer esse sacrifício.

Os entusiastas do jogo organizam campeonatos internacionais desde a década de 90, e desenvolveram posições iniciais diferentes para a oficial, que incentiva as estratégias defensivas (nos campeonatos, adota-se a chamada “Margarida Belga”, exemplificada aqui). O jogo é popular a ponto de terem lançado um livro na França, exclusivamente dedicado a ele!

Abalone foi publicado em cerca de 30 países e vendeu mais de 4,5 milhões de unidades. No Brasil, é comercializado pela Ludens Spirit. Se você ainda acha que jogo clássico é sinônimo de jogo antigo, experimente jogar Abalone. Você verá que um jogo não precisa ter mil anos para ser ao mesmo tempo simples e elegante.

Maurício Gibrin é jornalista e autor de jogos de tabuleiro.